Minha foto
+55 11 981058611 - lucaspupo@gmail.com : Fotografia e Cinematografia Subaquatica; Projetos Underwater e Equipamentos.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Lito 435





Filmar na água é muito divertido e é o que todo mundo da equipe acha também. De fato é bom demais. Quando tem água num set... a alegria é geral!

Porém, fazer isso no mercado de produções audiovisuais comerciais, e nesse caso em especifico, pra publicidade, algumas implicações incrementam a dose de adrenalina. A ponta da faca esta sempre na nuca de alguém. É necessária a consciência de que você é pago pra não errar!

O equipamento usado nesse projeto é o bem conhecido slaphbag, no caso da marca Scubacam. O equipamento resolve muito mas tem suas características, boas e ruins. Com ele, pelo manual, vc pode ir ate 3 metros de profundidade ( já usei a 6mts veja aqui); nele você pode colocar câmeras de cinema , tanto uma Arri 435 quanto Alexa com algumas considerações, o port é fixo e é flat; pelo lado bom, tem boa monitoração e disparo remoto. Pelo lado ruim, a ergonomia dele maltrata o operador, o fato de ser de plastico não-rígido gera compressão do sistema pela pressão da água e é necessário ir calibrando isso, e a hidrodinâmica que não permite grandes movimentos... O lado ótimo é que dentro dele vai câmera de cinema e só isso já vale a dor!!!

Nesse caso, dentro estava uma Arri 435 pra rodar a 150fps. O filme todo foi rodado com a Red Epic e portanto somente as cenas dentro da água foram rodadas com negativo. Aqui o filme!

Esse foi meu segundo filme na água para o Diretor de Fotografia Lito Mendes (aqui o outro). Mais importante do que trabalhar pra um dos melhores cinematógrafos do país, é ser chamado novamente!  Nesse caso a prova de responsabilidade foi ter que executar as duas cenas subaquáticas com uma única lata de negativo! Parece simples, mas a 150 quadros por segundo cada rolo queima feito gasolina num motor V8! Dois itens foram os pontos principais; acertar o timing do menino sendo arremessado pra fora da água; e estabilizar o horizonte da câmera na passagem de dentro da água para fora. Na água a câmera pesa uns 8 kg e fora quase 30kg, e pilotar a mudança de peso num mesmo movimento não é simples. Acertamos tudo em 5 tentativas; diretor feliz! Economizamos um rolo; produção feliz! Fotografo satisfeito; eu feliz! Todo mundo feliz, bora pro próximo!

Valeu Lito! Obrigado mesmo! 
João Daniel, valeu pela compreensão de que na água ir devagar acaba sendo mais rápido.
Claudinho Zanoti, produção impecável pra água!